Companheiros de quatro patas. Afinal, somos nós quem cuidamos deles ou eles quem cuidam de nós?

“A grandeza de uma nação e seu progresso moral podem ser julgados pela forma como seus animais são tratados.” Frase impactante de um dos maiores pensadores da história, Mahatma Gandhi, fala muito sobre o impacto da generosidade, da sensibilidade e do respeito humano na construção de um mundo melhor. Características que sempre busquei exercitar em minha vida. Apaixonada pelos animais desde muito cedo, acredito na pureza e na verdade deles como uma possibilidade de nos reconectar com a natureza, com nosso eu interior e nossos sentimentos mais primitivos, tornando-nos seres humanos mais conscientes, evoluídos, acolhedores, gentis e menos materialistas.

Ainda criança compreendi o valor dessa conexão e da fragilidade desses animais, especialmente em situação de rua, conseguindo convencer aos meus pais sobre a importância da adoção consciente - com uma atenção e um amor especial pelos cachorros, é verdade. E esse foi só o início de uma história que mudou não só a minha vida, mas a vida de mais de 100 animais e de famílias que puderam vivenciar um dos amores mais verdadeiros e puros ao abrirem a porta de seus lares a esses animaizinhos.

Como li por aí, de um autor desconhecido: “Preservar e zelar pela vida dos animais vai muito além do nosso amor por eles. Não é só porque eles são incríveis, inocentes e irracionais. Faz parte do bem que eles fazem ao mundo, a diferença que exercem na natureza. Animais podem ser ferozes ou mansos, lindos ou assustadores, mas foram criados para incrementar ainda mais as nossas vidas”. E como me sinto completa ao estar com eles!

Segundo o portal “Minha Saúde”, da IG, ao fornecer companhia, carinho, conforto, entretenimento e, principalmente, amor incondicional, tanto os pets, como gatos, cachorros, chinchilas e pássaros, até mesmo animais de maior porte, como cavalos, trazem a seus donos e a quem convive com eles benefícios como a melhora da autoestima, aumento da prática de atividades físicas e maior convívio social.

As vantagens da convivência com animais se estendem da infância à terceira idade, aliás. Como explicam ao portal as psicólogas Cristiane Blanco e Laís Milani, especialistas em Terapia Assistida por Animais, por se tratar de uma etapa da vida repleta de aprendizados diários, a infância beneficia-se do contato com um animal de estimação pelo auxílio no aprendizado de valores, como respeito, cuidado e responsabilidade, sem contar os momentos de diversão e brincadeiras.

Já para a terceira idade, etapa em que é comum um maior afastamento dos familiares e isolamento social, o animal é o companheiro ideal de todas as horas, sempre disponível para oferecer carinho e companhia, além de contribuir também para o resgate da sensação de prazer relacionada ao cuidado com o outro (alimentação, cuidados com a saúde e higiene etc.).

Esses são apenas alguns dos benefícios que experimento todos os dias em meu contato com meus vários cachorros. Podemos ressaltar ainda questões comprovadas como a diminuição do estresse e da pressão arterial, combate a depressão, elevação da autoestima e do hormônio da felicidade (a serotonina), e, claro, a possibilidade de nunca mais estar sozinho.

E aí, pensando em adotar um companheiro de quatro patas? Em Lisboa você encontra diversos espaços entre organizações não governamentais, associações, albergues e centros de recolhas que participam ativamente da causa de proteção animal e possibilitam que famílias interessadas na adoção consciente possam vivenciar esse momento tão especial em suas vidas. Alguns deles são: Casa dos Animais de Lisboa, O Cantinho da Milu, Associação Animais de Rua, Eu Adoto, entre muitos outros, basta dar um google e ser feliz!



5 visualizações

© 2017 REVISTA NOSSA CIDADE. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

Alameda Roentgen 7D - 1ª andar, Escritório 7 - Telheiras, Lisboa, Portugal

lisboa@revistanossacidade.pt / rnc.lisboa@gmail.com

  • Facebook Basic Black
  • Instagram Basic Black
  • Preto Ícone YouTube