Como projectar o seu jardim

Para começar de uma forma s

imples e intuitiva é importante que conheça bem as características do seu jardim, a dimensão, exposição solar, o que pretende desse espaço, o tipo de manutenção que estará disponível a dedicar. A partir daqui pode começar a esquematizar um espaço que seja adequado às suas necessidades e condições tendo em conta o objetivo desejado para esse espaço e o tempo que poderá disponibilizar nele.

Este é um processo faseado sendo importante que escolha a vegetação que mais gosta e que vai querer cuidar. Aqui a intervenção do arquiteto paisagista pode ser decisiva na medida em que poderá ajudar a escolher as plantas mais adequadas para o seu jardim pelo tipo de solo, exposição e enquadramento com a vegetação envolvente.

Escolher as plantas certas para o local certo é um desafio, talvez das questões mais importantes no sucesso do seu jardim. Plantas adaptadas ao nosso clima e ao local onde serão plantadas e plantas autóctones, é sempre a melhor decisão. Lutar contra a Natureza acaba por ser uma decisão por vezes mais dispendiosa e com mais riscos para o cliente. Escolher uma planta de sombra para um local que terá oito horas de sol não podemos esperar que a planta se desenvolva em todo o seu potencial, sendo melhor optar por vegetação que tolere o sol e que garanta a sua subsistência. Ao optar por plantas autóctones (da flora nativa de Portugal) está também a promover a biodiversidade e equilíbrio natural com resultados igualmente positivos e melhores taxas de sucesso.

Se gosta de flores, pode também optar pela plantação de bolbos adaptados ao clima mediterrânico como por exemplo: Amaryllis belladonna (floração no Outono), Freesia refracta (floração no Verão), Cyclamen persicum (Floração Outono – Inverno), entre outros. Os bolbos são uma forma simples e ecológica, na grande maioria não são muito exigentes e após serem plantados propagam-se facilmente. (associado pode por imagens de algumas plantas de bolbos a utilizar neste caso)

A manutenção é também, um ponto muito importante para conseguir manter o bom aspecto do seu jardim. As folhas e flores secas são, por vezes, foco de pragas e doenças para as plantas, daí a importância de remover tudo o que são folhas, flores e ramos secos, aliviando assim as plantas de tudo o que não lhes faz falta. Uma boa poda bem efetuada, na devia altura do ano feita, de preferencia, por profissionais é uma pratica fundamental na boa manutenção de qualquer jardim.


Em climas mediterrânicos como o nosso, a rega é essencial para a maioria dos jardins. Geralmente aconselho sistemas de rega automáticos, assegurando assim uma rega adequada às necessidades de cada plantação. São sistemas eficientes e económicos e a sua boa utilização permitirá a subsistência das suas plantas. Por vezes pode ser uma parte cara do jardim mas facilmente consegue rentabilizar o seu custo na poupança de água e esforços manuais constantes.

Em tempos este espaço foi utilizado como mini golfe (Putting Green) posto isto, achei importante manter a personalidade e memória do espaço salvaguardando os elementos dominantes diferenciadores, tal como o Approach (elemento em pedra que assinala a zona da primeira tacada) e o bunker (obstáculo que por norma está coberta de areia para dificultar o jogo) e claro, o extenso relvado mantendo a modelação existente. Este foi um jardim com uma inspiração bastante mediterrânica onde domina essencialmente vegetação autóctone. Tendo em atenção os novos usos, propus um deck que permite criar uma zona de refeições/estadia mais estável. As linhas orgânicas são elementos muito importante neste jardim na medida em que cortam a monotonia da forma rígida dos limites do terreno.

0 visualização

© 2017 REVISTA NOSSA CIDADE. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

Alameda Roentgen 7D - 1ª andar, Escritório 7 - Telheiras, Lisboa, Portugal

lisboa@revistanossacidade.pt / rnc.lisboa@gmail.com

  • Facebook Basic Black
  • Instagram Basic Black
  • Preto Ícone YouTube