Castelos, histórias, experiências: Viaje pelos sabores dos vinhos franceses!

Você sabia que existem vinícolas na França que produzem vinhos há séculos, trazendo na bagagem histórias fascinantes? Essas vinícolas, por vezes localizadas em belos castelos, geralmente mantêm-se na mesma família por 300, 600 até mil anos, produzindo mais do que saborosos vinhos, experiências únicas.

Projeto formado por oito vinícolas francesas, ligações afetivas e muita simpatia pelo país trouxeram o Club des Châteaux (Clube dos Castelos) também à Portugal. Contando com um espaço próprio no centro de Lisboa, preparado de forma dedicada para bem receber apreciadores exigentes, o grupo inaugura em breve o Bar à Vins do Club des Châteaux, no Saldanha, coração da capital portuguesa.

Para falar sobre as novidades e a proposta do negócio, convidamos o fundador do Club des Châteaux, Xavier Boyreau, e sua esposa Rosângela Rabel para um bate-papo exclusivo com a equipe da Revista Nossa Cidade Lisboa.

Revista Nossa Cidade - Gostamos de saber que as vinícolas do Club de Châteaux pertencem às mesmas famílias há séculos, como isso é possível ?

Xavier Boyreau - Na França, o vinho é muito valorizado e faz parte da cultura desde os tempos medievais. Dessa maneira, às famílias de produtores fizeram sempre grandes esforços para preservarem suas histórias. Por exemplo, temos no nosso grupo o Château d’Arlay, que é o mais antigo château de vinhos da França, provindo de uma família de origem nobre, que por séculos mantém a propriedade. Transmitindo a cultura vinícola desde os Príncipes, Duques e Condes, há mil anos, hoje o chateau está sob o comando do Condé de Laguiche, guardião deste tesouro. Queremos convidar o Conde de Laguiche para visitar Portugal, aliás.

RNC - E esse conhecimento e paixão pelos vinhos também é, particularmente, uma herança familiar para vocês, não é mesmo?

Boyreau - Sem dúvida. No caso de nossa família, o Chateau Piron, está connosco há mais de 300 anos. A nossa região dos Graves é o local onde teve início os vinhos de Bordeaux. Bem, meus ancestrais, além da perseverança, desenvolveram outras atividades paralelas ao vinho, e isso garantiu a continuidade mesmo em períodos de crise. O vinho sempre foi para nossa família muito mais que um negócio, é amor! E por isso conseguimos nos manter tão fortes durante os séculos. Temos muitas histórias a contar.

RNC - E é claro que queremos saber: existem diferenças entre os Vinhos Portugueses e os Vinhos Franceses?

Boyreau - Sim, existem grandes diferenças, mas jamais diríamos que os franceses são melhores. Portugal tem excelentes vinhos. São dois mundos dos Grandes Vinhos. E nosso objetivo é proporcionar que os portugueses tenham acesso a essa nova experiência, ampliando suas possibilidades. Pretendemos mostrar que nossos vinhos são únicos, originais, “diferentes”, pois a França tem castas (tipos de uva) originais de cada lugar, contando com terrenos particulares, clima, formas, culturas e até tradições milenares na forma de transformar suco de uva em vinhos originais. Por isso, acreditamos que quando os apreciadores provarem nossos vinhos, se surpreenderão.

RNC - Falando em acessibilidade, quando citamos castelos, histórias milenares, alto nível de qualidade etc., é normal pensarmos que os vinhos franceses são caros. Isso é verdade?

Boyreau - Nem sempre [sorri]! Fizemos questão de trazermos bons vinhos com valores realmente apetecíveis. Teremos vinhos excelentes e acessíveis de €7 até €90, e também vinhos a copo a partir de €3. Ou seja, vamos ter sabores e preços para todos os gostos e com qualidade comprovada, assim os apreciadores de bons vinhos não terão desculpas.

RNC - Ouvimos dizer, porém, que os portugueses são bem tradicionalistas quando o assunto é vinho, consumindo apenas vinhos nacionais, o que acha dessa afirmação e como pretendem penetrar neste mercado?

Boyreau - Pois sim, é verdade! No entanto, os portugueses gostam de inovar. Então esperamos que ocorra o mesmo com os vinhos. Vou contar uma história: há uns 20 anos ocorria algo parecido na França, e foi nessa época que criei uma das primeiras empresas de venda de vinhos por Internet, possibilitando que os vinhos estrangeiros começassem a chegar na França. Hoje posso afirmar que em todas as garrafeiras, bares e supermercados, encontramos uma grande variedade de vinhos de outros países. Sendo assim, espero que Portugal siga o mesmo caminho e abra suas portas aos vinhos estrangeiros. E, claro, queremos participar dessa história.

RCN - Aliás, Rosângela, você tem origens portuguesa e brasileira, como conheceu o mundo dos vinhos franceses?

Rosângela Rabel - Eu resumo assim: uma história de amor! A família do Xavier produz vinhos há muito tempo, as histórias são fascinantes, os vinhos maravilhosos. Nós viajamos por várias regiões vinícolas da França, provamos vinhos especiais e eu sempre dizia: meus amigos e amigas de Portugal e do Brasil precisam provar este vinho! E assim a ideia foi crescendo, a associação com as vinícolas surgiu naturalmente, o amor por essa Lisboa luminosa foi crescendo, então decidimos vir. Agora, nossos amigos terão um espaço preparado com muito carinho, onde poderão conhecer ainda mais os sabores da França, bem ao pé de si, como dizem os conterrâneos, no Saldanha, em Lisboa.



0 visualização

© 2017 REVISTA NOSSA CIDADE. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

Alameda Roentgen 7D - 1ª andar, Escritório 7 - Telheiras, Lisboa, Portugal

lisboa@revistanossacidade.pt / rnc.lisboa@gmail.com

  • Facebook Basic Black
  • Instagram Basic Black
  • Preto Ícone YouTube