A CULINÁRIA PARAENSE


O nome Tupaiú nos remete a um povo guerreiro, com tecnologia avançada para sua época e com cultura inestimável que transcende os anos. O restaurante de Manueli Lima de Andrade não é muito diferente dessa brava tribo. Manu, como gosta de ser chamada, foi muito guerreira para chegar onde está. Se deparou com o Tupaiú quando um conhecido precisava de um capital para abrir o restaurante e chamou Manu para uma socie - dade. Nesta época nem pensava em ir para a cozinha. Após alguns anos assumiu sozinha a direção do Tupaiú. A mãe, Júlia, veio para ajudar e é seu braço direito. E com o tempo seu irmão, Wylya, também foi picado pela paixão com as panelas porque escolheu a gastronomia como profissão; um orgulho para a família que tem em seus ancestrais o amor e o cuidado com outros, afinal isso é cozinhar. No cardápio, mais de 30 itens da tradicional cozinha paraense e amazônica. Não pode faltar o Tucunaré, preparado de várias formas; a famosa galinha caipira, farofa de camarão, farofa de aviú, o nobre pato no tucupi, pirarucu de casaca, moqueca de filhote, só para citar alguns. O cuidado na escolha dos ingredientes é muito importante e são escolhidos a dedo por Manu. Outro cuidado está na padronização dos pratos. O ambiente é um capítulo a parte. Local aconchegante com decoração típica da região paraense.


Peças indígenas, muiraquitã para dar poder e sorte e uma canoa que é comumente usada pela população ribeirinha. Quem frequenta o local se transporta imediatamente para o Pará. Cada pedacinho foi muito bem pensado para atender o cliente e causar uma experiência única. Para o futuro, Manu projeta abrir um café também com comidas típicas do Pará, que é considerada a parte mais rica da culinária amazônica com o seu colorido e apresentação rústica. Espera oferecer aos clientes sensações parecidas com o Restô Tupaiú. No cardápio, comida com gosto de infância onde não poderá faltar a tapioca, beiju, cuscuz, paçocas, mandioca, milho, mingaus, sucos e chás. Além dos sabores, o segredo está no atendimento. Manu cuida pessoalmente deste importante detalhe. Estar no Tupaiú deve ser um momento inesquecível e para isso fica atenta a todas as mesas. Atende pessoal - mente cada uma e gosta de ouvir o cliente que chama carinhosamente de “parente” ou “maninho” conforme costume dos paraenses. E para você que ainda não conhece o Tupaiú, fica o convite em bom paraense: “Maninho, mas quando já que ninguém resiste... Vemtibora. Deixa de pavulagem, pai d´egua demais. Axiiii!”

Maninho, mas quando já que ninguém resiste... Vemtibora. Deixa de pavulagem, pai d´egua demais. Axiiii!

Rua Alexandre Magno,869, Shangrila 3, Parque 10 (92)98123-1715 @tupaiu @tupaiuresto

56 visualizações

© 2017 REVISTA NOSSA CIDADE. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

Alameda Roentgen 7D - 1ª andar, Escritório 7 - Telheiras, Lisboa, Portugal

lisboa@revistanossacidade.pt / rnc.lisboa@gmail.com

  • Facebook Basic Black
  • Instagram Basic Black
  • Preto Ícone YouTube